INSTRUMENTOS DERIVATIVOS PARA O AGRONEGÓCIO: MISTIFICAÇÃO OU SOLUÇÃO?

Os anos 90 foram, para os países em desenvolvimento, marcados pela busca de um caminho para a estabilização econômica, fazendo com que as empresas se adequassem à nova realidade. Com as empresas ligadas ao agronegócio não foi diferente. No Brasil, esse processo o foi mais intenso, principalmente após o advento do Plano Real (1994), quando as empresas tiveram de se adaptar a uma economia estabilizada, buscando novas fontes de receita e não aquelas advindas simplesmente do comércio dos produtos in natura a que elas estavam habituadas, mas sim agregando valor ao produto para se manter no mercado. Nesse contexto, aliado à abertura do mercado, o ambiente econômico ficou mais competitivo, obrigando as entidades produtivas e empresariais a aumentar sua exposição ao risco, reduzindo suas margens de lucro e aumentando sua eficiência como forma de se antecipar aos eventuais problemas ligados ao mercado ao qual ela estava inserida. Dentro dessa nova realidade, a gestão de risco tornou-se uma ferramenta imprescindível para as empresas, sejam elas ligadas á produção, comércio, indústria, instituições financeiras ou agronegócios. Nesse trabalho, objetivou conceituar os vários tipos de riscos inerentes ao setor agronegócio, bem como os instrumentos dos derivativos utilizados para mitigá-los ou até mesmo imunizá-los. Para ilustrar o uso dos derivativos, apresentaram-se algumas situações onde a utilização dessas ferramentas foi simples e pode proporcionar ao contratante as garantias de preços e retornos para seus produtos no mercado. ---------------------------------------------In the last decade, emerging market countries looked for their economic stabilization, forcing the companies to adapt themselves to the new reality. To agribusiness companies were not different. In being so, in Brazilian environment was more intense, mainly after “Plano Real” (1994), when the companies had to adjust themselves to a more stable economy, looking for new sources of revenues, not only those which came from in nature products, which they were used to, but adding value to product to keep in the market. In this context, along with the Brazilian market opening to the foreign banks, the environment became more competitive, forcing these entities to increase their risk exposure, reducing their spreads and increasing their efficiency in the way to anticipate to the problems linked to the market where they work. Considering this new reality, risk management becomes an essential tool to the companies, even though they are linked to commerce, industry, financial institutions or agribusiness. In this study, our objective was concentrated on defining the various types of risk inherent to agribusiness, making an approach to derivatives instruments used to temper or even eliminate them. To illustrate the use of these derivatives, some situations were presented; showing that the use of these instruments is simple e might provide price guarantees and returns to the user for these products in the market.


Issue Date:
2008-07
Publication Type:
Conference Paper/ Presentation
PURL Identifier:
http://purl.umn.edu/114130
Total Pages:
17




 Record created 2017-04-01, last modified 2017-08-26

Fulltext:
Download fulltext
PDF

Rate this document:

Rate this document:
1
2
3
 
(Not yet reviewed)