O “TRATORAÇO”, E A VULNERABILIDADE DO MONOCULTIVO DE GRÃOS NA AGRICULTURA BRASILEIRA

Em junho de 2005 houve em todo o Brasil uma intensa mobilização de produtores rurais a qual culminou com manifestações em praças e estradas nas quais os tratores se faziam presentes ruidosamente, bloqueando o acesso e impedindo o trânsito. Foi intensa a cobertura da imprensa a estas manifestações que levaram a concessões governamentais e mudanças nos instrumentos de política agrícola com vistas a reduzir custos, facilitar acesso a mercados e, consequentemente restaurar a competitividade das atividades que se encontravam ameaçada. Os movimentos sociais, sobretudo o MST, Movimentos dos Sem Terra, criticaram as concessões feitas pelo governo que, segundo os mesmos, tratava de modo diferenciado os componentes do “agronegócio”. O que tinham em comum estes agricultores? Em que regiões do país se inseriam? Todos os produtores rurais brasileiros se sentiam representados nestas mobilizações e as apoiavam? È o que se tenderá analisar neste trabalho que associará a participação no “Tratoraço” a uma vulnerabilidade decorrente da monocultura, que nem sempre é a opção de produtores rurais.


Subject(s):
Issue Date:
2008-07
Publication Type:
Conference Paper/ Presentation
PURL Identifier:
http://purl.umn.edu/109652
Total Pages:
18




 Record created 2017-04-01, last modified 2017-08-26

Fulltext:
Download fulltext
PDF

Rate this document:

Rate this document:
1
2
3
 
(Not yet reviewed)